Este website utiliza cookies para nos ajudar a prestar-lhe um melhor serviço aquando da sua visita ao nosso site. Ao continuar a utilizar este website, está a permitir a nossa utilização destes cookies. Para mais informações consulte os nossos termos e condições. Termos e Condições Continuar
1865
A CUF é fundada em Lisboa

Em 1865 é fundada a Companhia União Fabril - CUF, com um capital de 200 contos de reis. Nesta data é ainda concedido o alvará de licenciamento à CUF para a produção de sabões, estearina e óleos vegetais.

1898
Alfredo da Silva preside aos destinos da CUF

Alfredo da Silva, acionista da Companhia Aliança Fabril (CEF), promove a fusão desta empresa com a CUF e avança para a produção de adubos em grande escala. Também nesta data entra para o património da CUF a Fábrica Sol, situada na Avenida 24 de julho, em Lisboa.

1908
Fábricas da CUF inauguradas no Barreiro

Alfredo da Silva escolhe o Barreiro para dar seguimento ao forte ritmo de expansão da CUF. A 19 de setembro de 1908 inaugura a primeira fábrica na pequena vila piscatória no Lavradio e dá início à produção de ácidos, transformando óleo de bagaço de azeitona para o fabrico de sabões. As fábricas empregam cerca de 100 operários. Também em 1908 tem início a construção do Bairro Operário.

1930
O que o País não tem, a CUF cria

Na década de trinta, a CUF tem fábricas em Lisboa, Barreiro, Alferrarede, Soure, Canas de Senhorim e Mirandela e emprega 16 mil pessoas. O repto da empresa, lançado por Alfredo da Silva, era: "O que o País não tem... a CUF cria''

E este lema era confirmado pela evolução da CUF, que foi acrescentando setores às suas atividades. Depois de iniciar a laboração no complexo industrial no Barreiro, entra em funcionamento a primeira fábrica de ácido sulfúrico e superfosfatos para produção de adubos. O ciclo de crescimento dá-se em cinco grandes segmentos de produção:

Química orgânica: na refinação de óleos, azeite, sabões, farinhas e rações.
Química inorgânica: no fabrico de ácidos.
Metalúrgica: com cobre, chumbo, ouro e prata e tratamento de cinzas de pirite.
Metalomecânica: com oficinas de ferro, bronze e fabrico de aço especial para a indústria do ácido sulfúrico.
Têxtil: primeiro com embalagens de adubos e, depois, alargada à produção de diversos tecidos.

1970
CUF representa 5% do PIB nacional

Na década de 70, a CUF atinge o seu apogeu. Com mais de cem empresas, mais de um milhar de diferentes produtos, 110 mil empregados, representando ao todo 5% do Produto Interno Bruto nacional, a CUF é o maior grupo económico na história do nosso País.

1975
CUF é nacionalizada e extinta

Na década de 70, a CUF atinge o seu apogeu. Com mais de cem empresas, mais de um milhar de diferentes produtos, 110 mil empregados, representando ao todo 5% do Produto Interno Bruto nacional, a CUF é o maior grupo económico na história do nosso País.

1980
Grupo José de Mello regressa aos Químicos

No final dos anos 70 é criada a empresa holding “José de Mello”, tendo com acionistas alguns dos antigos proprietários da CUF. A reentrada do grupo no setor químico acontece com a compra da Uniteca, uma indústria de produção de cloro e alcális.

1997
Marca CUF regressa à indústria

O Grupo José de Mello adquire o controlo da Quimigal, procede a uma reestruturação profunda deste grupo industrial químico e volta a adoptar o nome CUF.

2005
Mudança da imagem corporativa da CUF

Em 2005, o Grupo CUF avança com um processo de reestruturação empresarial com o objetivo de se focar no seu core business, os químicos e os adubos. Aproveita, ainda, para refrescar e atualizar a sua imagem corporativa.

2006
Novo desafio: duplicar a capacidade em Estarreja

Em 2006, a CUF dá inicio ao processo de ampliação das suas instalações no Polo Químico de Estarreja, que abrange os setores da produção do cloro, da anilina e dos seus derivados. A ampliação das fábricas, com o recurso às tecnologias mais recentes, garante uma maior eficiência energética e reforça amplamente a capacidade produtiva da CUF.

2007
Iniciam-se os preparativos para a celebração do Centenário da CUF no Barreiro

No dia 27 de fevereiro de 2007, João de Mello, Presidente da CUF, participa na apresentação pública do programa de comemorações do centenário da CUF no Barreiro - efeméride que será comemorada no ano seguinte. Concursos, exposições, edição de livros, uma conferência internacional e outras iniciativas de âmbito científico e cultural fazem parte do Programa comemorativo do Centenário da CUF, no Barreiro.

2008
Venda dos adubos e comemoração do centenário da CUF no Barreiro

Em 2008, a CUF vende o negócio dos adubos e concentra todos os seus recursos na indústria química, focando-se no objetivo estratégico de se tornar um dos maiores grupos químicos da Península Ibérica. No mesmo ano, a CUF participa ativamente num vasto programa de comemorações do Centenário da CUF no Barreiro, o que inclui realização de um documentário, o restauro de filmes antigos, a edição de selos e livros, concursos, exposições e uma conferência internacional.

2009
Inauguração das novas fábricas de Estarreja

A 8 de julho de 2009, a CUF apresenta publicamente a conclusão do projeto de expansão do Complexo Químico de Estarreja, concretizada no âmbito de um Projeto de Interesse Nacional (PIN) - uma obra que é um importante marco para a economia nacional e para o desenvolvimento da região. A CUF investe neste projeto o valor de 125 milhões de euros e duplica a sua capacidade de produção de anilina para 200 mil toneladas por ano, das quais 60% serão consumidas pela sua parceira de negócio, a DOW. A concretização desta expansão posiciona a CUF como uma das cinco primeiras empresas do setor químico a operar na Península Ibérica e o Grupo José de Mello como um dos maiores da Europa, com tecnologia própria.

2012
Inauguração da primeira fábrica de nanomateriais em Coimbra

A 7 de setembro, na presença do Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, a CUF inaugurou a nova unidade industrial da Innovnano - a primeira fábrica de nanomateriais a nível nacional. A nova fábrica da Innovnano irá produzir nanomateriais, através de um processo único a nível mundial, já patenteado, com aplicação em diferentes indústrias como a produção e o armazenamento de energia, aeronáutica, eletrónica, ou anda na indústria dos cerâmicos estruturais, e conta com uma rede internacional de parceiros tecnológicos que participam no desenvolvimento de novos produtos e soluções, com o objetivo de futuramente vir a entrar em novos mercados.

Topo