Este website utiliza cookies para nos ajudar a prestar-lhe um melhor serviço aquando da sua visita ao nosso site. Ao continuar a utilizar este website, está a permitir a nossa utilização destes cookies. Para mais informações consulte os nossos termos e condições. Termos e Condições Continuar

Sal que brota da terra

março 2017

A RENOESTE produz sal cristalizado e sal líquido, na ordem das 70 mil toneladas por ano, ou seja dois terços do sal utilizado no pólo químico de Estarreja para a produção de soda e cloro.

 

 

 

 

A RENOESTE, nos arredores de Pombal, está implantada sobre um “domo salino”, ou seja sobre uma grande reserva de sal-gema. No final da década de noventa, a então Transgás, dadas as características plásticas do “domo salino” e as condições de segurança que oferecia, escolheu este local para a construção de cavernas para armazenagem de gás natural.

 

A disponibilidade de salmoura e a existência de gás natural no local criavam as condições para o nascimento do novo projecto de produção de sal. Depois, a Galp instalou uma unidade de cogeração de energia de elevada eficiência. Utilizando parte da salmoura extraída pela Transgás e o calor da unidade de cogeração, a Renoeste passou a fazer a recristalização do sal por via térmica, produzindo um sal de elevada pureza para abastecer as fábricas da CUF em Estarreja.

 

 

Topo